Formare 25 anos

Acompanhe os nossos avanços e experiências no ano em que completamos 25 anos de vida

Compartilhe
Veja todos os relatórios

Apresentamos o Relatório de Atividades Formare 2013,
ano em que, junto às nossas 48 empresas parceiras,
formamos mais de 1.600 jovens para o trabalho e
o progresso no Brasil. Estes jovens, selecionados
em regiões periféricas a empresas e marcados pelo ambiente
de pobreza de onde provêm, têm o seu destino alterado
pela oportunidade que a parceria Formare oferece.

E não é dizer pouco: ainda hoje no Brasil um quinto dos
jovens é "nem-nem": nem trabalha, nem estuda1 - tendência
que se observa no mundo todo. Investir na capacitação
profissional do jovem é, portanto, um imperativo ético,
ao mesmo tempo em que se configura como necessidade
econômica. A empresa do século 21 tem uma carência
crônica de talentos, que, segundo os empregadores,
se deve à falta do desenvolvimento de competências2.

O Formare vem crescendo na realização desta tarefa
há 25 anos, incorporando novas terminalidades e
formatos. Hoje são 59 cursos que realizamos (114
construídos até hoje), todos reconhecidos pelo Ministério
da Educação. Operamos igualmente o Aprendiz Formare segundo
as normas do Ministério do Trabalho e estamos
incubando novos formatos para 2014, assim como novas geogra-
fias. Nosso quarto de século à frente do Formare
nos dá a certeza de termos encontrado um modelo eficaz
e eficiente de - no ritmo dinâmico das empresas contem-
porâneas - resgatar vidas e prover competências.

___

1Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)
baseados na Pnad 2012 (Pesquisa Nacional
por Amostra de Domicílios) e divulgados em 2013

2Quase 40% dos empregadores de 9 países avaliados pelo
Instituto Global McKinsey em 2012 (Turquia, Índia, Brasil, Estados
Unidos, México, Arábia Saudita, Alemanha, Reino Unido e Marrocos)
afirmam que a falta de competências é o principal motivo
para o não preenchimento de vagas no nível iniciante

O Projeto Formare nasceu em 1988 como uma ação
pioneira de formação de jovens dentro das unidades
fabris da Iochpe-Maxion em Canoas (RS) e São Bernardo
do Campo (SP), numa época em que termos como
responsabilidade social e sustentabilidade não faziam
parte do repertório do empresariado brasileiro.

Hoje, passados 25 anos e um trabalho duro e comprometido
de todos os envolvidos, o projeto reflete solidez, consistência
e o reconhecimento da sociedade civil e do setor produtivo
como um aliado na preparação de jovens para o primeiro
emprego. Mais do que isso, o Formare passou a ser
visto não somente como uma iniciativa social
de voluntariado, mas como formador de profissionais com
múltiplas competências, contribuindo para atenuar um
gargalo da economia e entrave para o desenvolvimento do país
- pesquisa da CNI (Confederação Nacional da Indústria)
divulgada em outubro de 2013 aponta que a falta de mão
de obra qualificada é um problema para 65% das médias
e grandes empresas brasileiras.

Ao término do ano, nossa rede contava com o apoio
de 48 empresas parceiras, que, juntas, contabilizavam
82 Escolas distribuídas por todo o território nacional.
Já as aulas foram dadas por um time de 3.280 educadores
voluntários a 1.640 jovens, alçando o número histórico
de alunos capacitados para cerca de 15 mil.

*Desde o início do projeto, em 1988

Em 2013, o Formare continuou ganhando visibilidade
por ser um projeto com uma matriz curricular adaptável
a qualquer segmento de mercado e destinada
a atender demandas variadas. Embora tenha se
originado e, posteriormente, se expandido
no ramo automotivo, o projeto atende também
empresas do ramo de serviços e do agronegócio.

Passaram a fazer parte do nosso time a Tupy,
referência em tecnologia de fundição sediada
em Joinville (SC), e a Spiltag, produtora de
embalagens localizada em Marília (SP).

Entre as tradicionais parceiras da rede, a
DHL Supply Chain, que já possuía Escolas Formare
nas cidades paulistas de Osasco e Louveira,
inaugurou uma nova unidade em Itatiaia, no
Rio de Janeiro. Com uma Escola cada um,
a Fundação Voith Brasil e o Instituto 3M somaram
forças para, numa ação inédita, compartilhar
a gestão de uma nova em Manaus (AM).
Por fim, a Mizu, fabricante de cimentos especiais, abriu as
portas de sua Escola em Baraúna, no Rio Grande do Norte.

Veja a lista de empresas parceiras do
Projeto Formare/Fundação Iochpe no ano:

Apoiadores - Além da nossa rede de empresas parceiras, o projeto também acontece graças a outros incentivadores, cujo trabalho, muita vezes,
não é tão visível no dia-a-dia, mas que consideramos indispensável e essencial na divulgação dos nossos valores. São empresas e iniciativas
que, por motivos variados, não podem contar com uma Escola Formare em suas instalações, mas que nos apoiam com serviços gratuitos
oferecidos aos alunos, espaços de divulgação e propaganda em veículos de comunicação, produção de materiais gráficos etc.
Conheça-os.

A Fundação Iochpe, a fim de garantir a qualidade do Projeto Formare, realiza
processos de formação, acompanhamento e controle para a certificação dos cursos,
que permitem monitorar e orientar o andamento de cada unidade e seus resultados.
A primeira etapa de implantação das Escolas Formare é a visita de diagnóstico,
que tem como objetivo conhecer o perfil da nova empresa parceira para, então,
desenvolver um currículo personalizado.

Todos os coordenadores e educadores são capacitados pela Fundação Iochpe
antes do início do curso para que entendam, reflitam e apliquem adequadamente
os conceitos pedagógicos. Para isso, são desenvolvidos cursos presenciais e a
distância (EAD), e oferecido suporte permanente por equipe pedagógica especializada.

Cada unidade recebe material didático de apoio para o desenvolvimento das
disciplinas do curso e a coordenação, manuais orientadores, vídeos tutoriais
e sistemas para a gestão da Escola.

No decorrer do curso, a Fundação Iochpe realiza visitas pedagógicas, oportunidade
em que se entende o desenvolvimento das atividades e se propicia um momento de
formação e sensibilização dos voluntários e alunos. Nesta visita, a coordenação
recebe acompanhamento pedagógico e revisão dos processos adotados pela Escola.

No último módulo, todas as unidades recebem visita de avaliação realizada por
professor da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná). Trata-se de
uma formalidade legal para a certificação da turma que pretende avaliar se o
que foi previsto para o curso está sendo executado de forma adequada e apontar
possíveis correções de rota.

A Fundação Iochpe também realiza workshops regionais para trocas de
experiências entre as coordenações de Escolas e, por meio de seu time de
relacionamento corporativo, realiza visitas e palestras periódicas de apresentação
e sensibilização sobre a importância do projeto para a alta direção de empresas
parceiras e em prospecção.

Até hoje, o Projeto Formare contribuiu na
qualificação de cerca de 15 mil jovens para
o mercado de trabalho, sendo que grande
parte está empregada, com muitos casos de
rápidas projeções profissionais e carreiras
estáveis. Portanto, nada mais justo do que
reconhecermos esta história e darmos luz
aos seus principais personagens no ano em
que comemoramos 25 anos de existência.

A homenagem se materializou em um concurso,
em que desafiamos os alunos da nossa rede
a criarem uma paródia da música "Beat It",
sucesso do cantor norte-americano Michael
Jackson (1958-2009), na forma de um "flash
mob" (evento relâmpago). A Escola que
desenvolvesse a coreografia mais criativa e
conseguisse, na letra da canção, melhor
representar o sentido do Formare, ganharia
um troféu com a caricatura da turma e
cada aluno, um iPod.

A despeito dos prêmios, o que se viu foi uma
participação comprometida e a oportunidade
de retribuir o que o projeto havia proporcionado
na vida de cada jovem. Coube o título de
campeã à Escola Formare Takata,da fabricante
de componentes automotivos de segurança
em Jundiaí (SP), que ganhou uma festa
exclusiva com direito até ao sósia do
famoso "Rei do Pop".

::ASSISTA AO VÍDEO CAMPEÃO

::LEIA MAIS
>Takata recebe 'Michael Jackson' em festa surpresa pelo título

Ao longo do ano, importantes veículos de comunicação da TV, imprensa
tradicional e internet deram destaque ao Projeto Formare e sua importante
função social e econômica de formação profissional qualificada.

O conhecido ranking da revista "Você S/A", por exemplo, aponta a Takata
como uma das 155 melhores empresas para se trabalhar, sendo o Formare
colocado como um dos motivos para este grau de qualidade no emprego.
O "Globo News", jornal do canal fechado da famosa emissora carioca, fala
da MWM International/Navistar South America, que investiu no Formare
para refazer o trabalho que a escola regular acabou deixando para trás.

Já o jornal impresso "O Globo" repercute levantamento feito com ex-alunos
do projeto que mostra que 80% dos 531 entrevistados em março de 2013
estão empregados e com renda média de R$ 1,2 mil. Ainda de acordo
com a pesquisa, a maior parte dos estudantes (52,3%) tem renda superior
à verificada no primeiro emprego.

Por fim, entre os destaques, o "Jornal da Cultura" enfatiza o quadro
alarmante da falta de mão de obra especializada vivida pela indústria
destacando o Projeto Formare como alternativa de investimento na PepsiCo.

Acompanhem:
>Formare ajuda Takata a entrar na lista das 155 melhores do Guia 'Você S/A'
>'Globo News': MWM investe no Formare para refazer o que escola deixou para trás
>'O Globo': Formare gera emprego e renda melhor aos jovens
>'Jornal da Cultura': Indústria investe em parcerias para preencher 7 milhões de vagas

::LEIA MAIS
>Acompanhe tudo o que foi publicado no ano sobre o Formare

A Fundação Iochpe mantém uma equipe que oferece todo o suporte para as empresas parceiras.
Conheça os profissionais que fizeram parte do Projeto Formare em 2013:
  • Evelyn Ioschpe

    Presidência

  • Beth Callia

    Coordenação Geral

  • Inês Mendonça

    Gestão Adm. e Financeira

  • Cris Meinberg

    Comunicação, Mkt. e Rel. Institucionais

  • Carolina Magon

    Rel. Institucionais

  • Edson Lovatto

    Assessoria de Comunicação

  • Bárbara de Oliveira

    Assistência de Conteúdo Web

  • Suzana Santana

    Supervisora de Projetos Sociais

  • Glaucia Medeiros

    Supervisora de Projetos Sociais

  • Ana Carolina da Silva

    Assistência Pedagógica

  • Michelle Silva

    Assistência Adm. e Pedagógica

  • José Carlos Antonio

    Assessoria Pedagógica em EAD

  • Vitor Fabrício

    Consultoria Pedagógica

  • Alfredo Vrubel

    Coordenação UTFPR

  • Herivelto Moreira

    Assessoria Pedagógica UTFPR

  • Ana Paula Bellizia

    Consultoria Pedagógica

::CRÉDITOS

Arte: Lovatto

Programação: Mãe Joana House